Pular para o conteúdo principal

O País perde Augusto Omolú




Com uma história profissional de mais de 30 anos, iniciada como aprendiz de Mestre King e Emília Biancardi, este soteropolitano, ícone da dança brasileira, com carreira internacional reconhecida, era especialista em danças afro-brasileiras. Omolú integrava o Balé Teatro Castro Alves (BTCA) também desde a década de 1980. Ao lado do curador artístico da companhia, Jorge Vermelho, estava vivendo um processo de transição para ocupar o posto de assessor artístico do grupo. “É uma tristeza muito grande. O BTCA fica vazio. Augusto Omolú sempre foi muito intenso, de alegria contagiante, uma presença que só fazia somar. Era uma figura de muita produtividade, amigo e companheiro muito importante. Resta-nos a indignação diante da violência que assola o país. Fico muito triste de receber e compartilhar esta notícia com a classe da dança da Bahia”, lamenta Jorge Vermelho.
Comprometido, íntegro e querido por todos, Omolú retornou ao Brasil há cerca de dois anos, após viver na Dinamarca como membro do Odin Teatret, fundada e dirigida por Eugenio Barba, uma das mais importantes e respeitadas companhias do mundo. Desde então, estava atuando como professor da Escola de Dança da FUNCEB, onde ministrava aulas de qualificação profissional e de cursos livres a partir de sua pesquisa e trabalho com a dramaturgia da dança dos orixás, compreendida não apenas como técnica, mas também como um pensamento que ele sistematizava com cada vez mais competência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS PRETOS NÃO LÊEM!

Sociedade:
OS PRETOS NÃO LÊEM!
em 22 de Março de 2007 - 09:56 Linux - USA

O lado triste deste artigo é que a sua essência é verdadeira.
De fato, a verdade dói!
Eu espero que isso possa criar uma motivação para que mais “pretos” não somente no senso étnico, identitàrio, cultural, religioso, filosófico, econômico, educacional, político, empresarial, artístico e todos os outros sentidos possam ir para frente, fazendo progresso reais.
Carlos Ujhama – AFROSSà Cia. De Danças Populares da Bahia.

- Chris Rock, um comediante negro disse, "os pretos não lêem".
Não deixem de ler esse artigo é muito interessante.
Para muitos dentre vós que escutaram o artigo que Dee Lee léu uma manhã nas ondas de uma
estação de rádio de NY. Para os que não escutaram, este artigo toca profundamente.
Um artigo pesado e escrito por um caucasiano (um branco).

- Os negros não lêem e continuam a ser nossos escravos. Nós podemos
continuar a escolher proveito dos negros sem esforço físico de nos…

Afrossa’ – BDC – Afrobrazilian wokshop dance & percussion

EN/

AFROSSA’ – BDC– Afrobrazilian workshop "DANCE & PERCUSSION".
24 – 25 November – Spazio Seme (Tuscany, Arezzo IT).

This workshop is a part of PROGRAM | ART OF MOVEMENT - 10 days
http://www.spazioseme.com/program-art-of-movement-10-days/

Dance Workshop with:
- Carlos Ujhama, Salvador/BA (popular dances and technique) 
- Ana Estrela, Salvador/BA (symbology and dance of the orixás, samba de roda)

Percussion workshop with:
- Neney Santos, Salvador/BA (ringtones and candomblé rhythms, percussion technique)
- Anderson do Samba (DNA do Samba Reggae)

Saturday: 15.00 – 18.00 (dance and percussion) | 18.30 – 21.00 (dance and percussion)
Sunday 10.00 – 13.00 (dance and percussion) | 15.00 – 18.00 (dance and percussion)

"Brazilian party only for participants of PROGRAM | ART OF MOVEMENT"

Fee: – 110 euro – (vegetarian food, lots of dancing and percussion ... included!)
Only percussion workshop:– 70 euro – (vegetarian food and Brazilian party ... included!)

It is a dance training program…

AFROSSá BDC - Salvador/BA 2018.

Certificação Internacional em Danças Populares da Bahia, com reconhecimento do Conselho Internacional de Dança CID/UNESCO.

AFROSSÁ – BDC é um programa de desenvolvimento nas danças, expressões e manifestações populares afro-brasileiras, reconhecido em mais de 150 países, em todo o mundo.

O “Brasil Dance Concepts”é regulamentado pelo Conselho Internacional de Dança CID/UNESCO, que ofereci ao final de cada modulo, um certificado de nível internacional reconhecido por escolas, centros culturais, associações e companhias de dança em mais de 155 países, em todo o mundo.

As atividades serão coordenadas pelo Prof. Carlos Ujhama, diretor e fundador do IABACE, primeira organização cultural afro-brasileira brasileirareconhecida pelo Conselho Internacional de Dança CID/UNESCO.

INVESTIMENTO:
Programação completa R$ 400 reais (20 horas/aula)
Aula avulsa: R$ 60 reais (2 horas/aula)

*INSCRIÇÃO NO LOCAL, 30 minutos antes do inicio da atividade.

---------------------------------------

Para participar do Progra…