Pular para o conteúdo principal

OS PRETOS NÃO LÊEM!



Sociedade:
OS PRETOS NÃO LÊEM!
em 22 de Março de 2007 - 09:56 Linux - USA

O lado triste deste artigo é que a sua essência é verdadeira.
De fato, a verdade dói!
Eu espero que isso possa criar uma motivação para que mais “pretos” não somente no senso étnico, identitàrio, cultural, religioso, filosófico, econômico, educacional, político, empresarial, artístico e todos os outros sentidos possam ir para frente, fazendo progresso reais.
Carlos Ujhama – AFROSSà Cia. De Danças Populares da Bahia.

- Chris Rock, um comediante negro disse, "os pretos não lêem".
Não deixem de ler esse artigo é muito interessante.
Para muitos dentre vós que escutaram o artigo que Dee Lee léu uma manhã nas ondas de uma
estação de rádio de NY. Para os que não escutaram, este artigo toca profundamente.
Um artigo pesado e escrito por um caucasiano (um branco).

- Os negros não lêem e continuam a ser nossos escravos. Nós podemos
continuar a escolher proveito dos negros sem esforço físico de nossa
parte. Olhem para os métodos atuais de contenção da escravatura que
eles se impõem a eles mesmos.
IGNORÂNCIA, VORACIDADE(Gula) E EGOÍSMO(Ambição)
A sua Ignorância constitui a primeira arma de contenção de um escravo.
Um grande homem uma vez declarou: "A melhor maneira de esconder qualquer
coisa a um negro e metê-la dentro de um livro". Nós vivemos
atualmente na idade da informação. Eles ganharam a oportunidade de ler
qualquer tipo de livro sobre qualquer que seja o tema em questão com os
seus esforços de luta para a liberdade, mas eles recusam-se a ler
Existem inúmeros livros disponíveis na Borders, na Barnes & Noble,
Amazon.com, sem mencionar as livrarias especializadas para negros, que
fornecem obras de grande valor susceptíveis de lhes permitirem alcançar
uma certa igualdade econômica (que devem ser de fato parte integrante
nas suas lutas) mas poucos dentre eles as lêem de maneira sustentável,
ou mesmo não as lêem.
A Voracidade é outra potente arma de contenção.
Os negros, depois da abolição da escravatura, aglomeraram grandes somas
em dinheiro a sua disposição. O ano passado,(isso, ano de 2007...), somente no período do natal
e de fim de ano, eles realizaram despesas no valor de 10 bilhões de USD.
450 bilhões de USD, representam as suas receitas anuais ( 2.22
%).
Qualquer um de nós pode utilizá-las como forma de iniciar um negocio em
qualquer que seja a ramo. Eles virão sempre consumir. Eles são
principalmente consumidores, eles movem-se pela vontade desmedida de
comprar, sempre querem cada vez mais, com muito pouco pensamento em
poupar ou investir.
Eles preferem comprar um par de sapatilhas de marca do que investir em
pequeno negocio. Alguns deles negligenciam seus próprios filhos para
obter os últimos lançamentos da TOMMY ou do FUBU( no Brasil Mitchell ou Arezzo).
Eles ainda pensam que ter MERCEDES ou ter um casarão, lhe garante
"estatuto" ou significa realizar um grande sonho. Eles são estúpidos!
A vasta maioria dos seus esta mergulhado na pobreza porque a voracidade
deles lhes impede de, em conjunto, constituir melhores comunidades.
Com a ajuda, B E T, (canal de televisão p/negros), e de outros meio de
difusão massiva dedicados especialmente a eles, difundindo imagens
destrutivas em suas próprias casas, nós continuaremos a tirar deles
imensos lucros exemplo como pela TOMMY e pela NIKE.
(TOMMY HILLFIGER insultou-os, dizendo que não queria o dinheiro deles.
Vejam, somente quanto os loucos gastam mais neste produto como nunca o
tinham feito antes!)
Eles continuaram a exibir-se entre si enquanto que
Nós, construímos uma comunidade mais forte a partir dos proveito dos
produtos que vendemos a eles.

O Egoísmo inserido nas sua mentes durante os longos tempos de
escravatura é uma das principais maneiras através das quais nos
continuaremos a mantê-los. Um deles, Dubois, disse que existia uma
desunião visível na sua cultura, num livro intitulado "Um décimo dos
Talentos" (1/10). Ele esta certo na sua dedução de que havia segmentos
na sua cultura que haviam adquiridos certas "formas" de sucesso.
Todavia, esta segmento não tinha o seu trabalho totalmente acabado.
Eles não perceberam que o 10.º talento tinha por missão garantir a ajudar aos
90% sem talento a alcançar uma melhor qualidade de vida.
Ao contrário eles criaram uma nova categoria de classe, a classe Buppie
(que são aqueles que sobem na vida mesmo vindo nada) que em vez de
projetar também os que estão em baixo, passam a olhá-los com desprezo.
Eles jamais ao de adquir o que adquirimos. O egoísmo deles não os
permite serem capazes de trabalhar em conjunto sobre projetos visando a
prosperidade comum. Quando eles se juntam as suas ambições permitem
que seu ego atrapalhem os seus objetivos comuns.
As tão conhecidas organizações de ajuda e de caridade somente servem
para promoverem os seus nomes sem se importarem com as reais
transformações no seio da sua comunidade.
Eles ficam todos contentes em se sentarem em conferências ou convenções
nos nossos hotéis, falar sobre coisas que planificam, fazem tudo em
recompensa de placas de honra e de títulos de melhores oradores mas, na
verdade, são péssimo em realizar o falam.
Será que este egoísmo vai acabar um dia?
Eles recusam-se insistentemente à não compreender que: JUNTOS VAMOS
MAIS LONGE - (Teoria de equipe).
Eles não conseguem entender que o que eles tem não lhes faz melhor do
que o outro. Na realidade muitos destes Buppies não dão conta que dois
cheques de pagamento os separam da linha da pobreza. E tudo isso esta
sobre o controle das nossas canetas, escritório ou quartos.
Sim! Deste jeito nós continuaremos a mantê-los neste estado durante
longo tempo uma vez que eles recusam-se a ler. Por muito tempo eles
continuarão a comprar tudo que querem para satisfazer a sua gana de
possuir. Enganam-se, continuando a pensar que ajudam as suas comunidades,
pagando quotizações a organizações que não fazem mais que ter
extravagantes convenções em nossos hotéis.
A propósitos, não vos preocupais que nenhum deles vai ler isto!
LEMBREM-SE! ELES NAO LEEM.

DEE LEE, CFP Harvard Financial Education (TRADUÇÃO),
Fonte: BLACKS DON'T READ By: BWP NewsWire Jun. 18, 2005.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Novo, novas intenções!

Agradecendo ao que nos foi oferecido pelo universo, no ano que passou e, seguro que toda caminhada começa com o primeiro passo, continuamos a nossa afirmação como um ponto de referencia para as artes cenicas de matrizes africanas e afro-brasileiras. A nossa restrospectiva nos porta à um ano de fortalecimento e amadurecimento! Questões que nao gostaria de explicitar aqui, uma vez que nao háveria a oportinudade de confrontar com a classe artistica que nos segue e tanto colabora com esse projeto. O Moviemto Cultural Afro Brasiliero despedi-se da Europa, a nivél intelectual, pois, percebemos que o necessario a ser feito deve e precisa ser feito em solo brasileiro, para brasileiros. Estudiosos, pesquisadores, bailarinos, atores, musicos, etc. A quem possa interessar!! E, para começar-mos, manteremos os nossos seguidores informados das ações e realizações desses construtores: os pioneiros na perpetuação de uma linha de pesquisa, desenvolvimento e ação sobre a arte e movimento das matri

PROJETO SEXTA EM MOVIMENTO, APRESENTA:

AFROSSà - Dança e técnica afro Soteropolitana. Onde: Escola de Dança da FUNCEB Dia: 23 de abril Hora: das 10:20 as 12:50 Sala: 1 Inserida dentro da carga horária do Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Dança, esta ação tem como principal intuito propiciar aos alunos, professores e comunidade interessada experiências que contribuam para a formação em dança e áreas do conhecimento correlatas. Trata-se, portanto, de um espaço de troca e construção coletiva de saberes baseado em atividades como: seminários, simpósios, palestras, conferências, debates, exposições, aulas, workshops, oficinas, apresentações e bate-papos. A AFROSSà, ou a dança afro Soteropolitana é um desenvolvimento de pesquisa em dança baseado nas movimentações de matrizes africanas, indígenas e européias constitutivamente, dentro do âmbito profissional, técnico, popular e acadêmico da cidade de Salvador, iniciado com a chegada do professor Clady Morgan – EUA e, obtendo desenvolvimento local at