Pular para o conteúdo principal

Expressions Afro-Brésiliennes à Paris - 2ème édition



Dans cette nouvelle édition d’Expressions Afro-Brésiliennes, l’Ayô Association présente l’exposition « Religiosités de Matrice Africaine. Candomblé, Culte des Caboclos, Vaudou Béninois et Culte des Orisá à Kétou.

L’exposition propose un voyage au cœur d’’un des aspects du patrimoine culturel brésilien, à savoir la religiosité de matrice africaine.

De la religion du Candomblé aux cultes des Caboclos, en passant par les Orisá de Kétou ou encore le vaudou Béninois, l’Ayô Association nous propose des clefs de compréhension de la société brésilienne.

Pour ce faire, le projet réunit penseurs, artistes, initiés, pères et mères de saints qui partageront leurs savoirs, leurs expériences et leurs connaissances.

C’est avec beaucoup d’humilité et de respectque l’Ayô Association nous invite à franchir les portes de ces espaces religieux, qui, tour à tour, se révèlent sacrés, spirituels, plein de mystères et de poésie…

Venez Nombreux!!!


PROGRAMME:

http://expressionafrobr.canalblog.com/

Accés:

RER B - Cité Universitaire
Tramway T3 - Charléty
Bus 21 ou 67 - Porte de Gentilly (terminus)
Périphérique - Porte d'Orléans ou Porte de Gentilly
Parking Public Charléty










Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS PRETOS NÃO LÊEM!

Sociedade: OS PRETOS NÃO LÊEM! em 22 de Março de 2007 - 09:56 Linux - USA O lado triste deste artigo é que a sua essência é verdadeira. De fato, a verdade dói! Eu espero que isso possa criar uma motivação para que mais “pretos” não somente no senso étnico, identitàrio, cultural, religioso, filosófico, econômico, educacional, político, empresarial, artístico e todos os outros sentidos possam ir para frente, fazendo progresso reais. Carlos Ujhama – AFROSSà Cia. De Danças Populares da Bahia. - Chris Rock, um comediante negro disse, "os pretos não lêem". Não deixem de ler esse artigo é muito interessante. Para muitos dentre vós que escutaram o artigo que Dee Lee léu uma manhã nas ondas de uma estação de rádio de NY. Para os que não escutaram, este artigo toca profundamente. Um artigo pesado e escrito por um caucasiano (um branco). - Os negros não lêem e continuam a ser nossos escravos. Nós podemos continuar a escolher proveito dos negros sem esfo

Ano Novo, novas intenções!

Agradecendo ao que nos foi oferecido pelo universo, no ano que passou e, seguro que toda caminhada começa com o primeiro passo, continuamos a nossa afirmação como um ponto de referencia para as artes cenicas de matrizes africanas e afro-brasileiras. A nossa restrospectiva nos porta à um ano de fortalecimento e amadurecimento! Questões que nao gostaria de explicitar aqui, uma vez que nao háveria a oportinudade de confrontar com a classe artistica que nos segue e tanto colabora com esse projeto. O Moviemto Cultural Afro Brasiliero despedi-se da Europa, a nivél intelectual, pois, percebemos que o necessario a ser feito deve e precisa ser feito em solo brasileiro, para brasileiros. Estudiosos, pesquisadores, bailarinos, atores, musicos, etc. A quem possa interessar!! E, para começar-mos, manteremos os nossos seguidores informados das ações e realizações desses construtores: os pioneiros na perpetuação de uma linha de pesquisa, desenvolvimento e ação sobre a arte e movimento das matri

PROJETO SEXTA EM MOVIMENTO, APRESENTA:

AFROSSà - Dança e técnica afro Soteropolitana. Onde: Escola de Dança da FUNCEB Dia: 23 de abril Hora: das 10:20 as 12:50 Sala: 1 Inserida dentro da carga horária do Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Dança, esta ação tem como principal intuito propiciar aos alunos, professores e comunidade interessada experiências que contribuam para a formação em dança e áreas do conhecimento correlatas. Trata-se, portanto, de um espaço de troca e construção coletiva de saberes baseado em atividades como: seminários, simpósios, palestras, conferências, debates, exposições, aulas, workshops, oficinas, apresentações e bate-papos. A AFROSSà, ou a dança afro Soteropolitana é um desenvolvimento de pesquisa em dança baseado nas movimentações de matrizes africanas, indígenas e européias constitutivamente, dentro do âmbito profissional, técnico, popular e acadêmico da cidade de Salvador, iniciado com a chegada do professor Clady Morgan – EUA e, obtendo desenvolvimento local at