Pular para o conteúdo principal

Laboratorio de Arte em Movimento_ Salvador, Bahia - BRASIL



A Cia. Contemporânea de Intervenção Urbana - AFROSSà retorna a casa e traz na bagagem o reconhecimento da estética afro brasileira, no desenvolvimento da “Arte em Movimento” no Brasil e na Europa.

                                 
Criada em 2009 pelo coreógrafo Carlos Ujhama, após dez anos de pesquisa sobre a diáspora negra no Brasil e nas Américas, a AFROSSà como é mais conhecida, vem chamando a atenção e obtendo destaque no cenário nacional e internacional através das suas aparições, de forma inovadoras, valorizando as expressões afro brasileiras dentro do panorama das artes contemporâneas.
A companhia, que já possui dois trabalhos em seu repertorio: TUM Bà – O silêncio dos tambores (apresentado pela primeira vez no Espaço Xisto Bahia em comemoração ao mês de dança e no V° Circuito de Cultura da Chapada Diamantina, ambos em 2011), e AGOGO de PRATA ( apresentado na reabertura da sala principal do Xisto Bahia em 2010 e, destaque da Lavagem de Madelaine – 2011, Paris-França). Ambos sob a direção de Carlos Ujhama.

Carlos representa a terceira geração de discípulo de Raimundo Bispo dos Santos (Mestre King), e vem atuando no processo de desenvolvimento da linguagem da dança afro contemporânea da Bahia, seguindo os passos do seu mestre e das gerações de profissionais que antecedem a sua, como: Armando Pekeno, Rosangela Silvestre, Auguto Omolu, Elisio Pitta, Sueli Ramos, Paco Gomes e Antonio Cozido. Todos esses com reconhecimento pelos seus trabalhos em âmbito nacional e internacional.
É após a publicação do Catálogo de Culturas Populares e Identitárias da Bahia, em 2010, onde a AFROSSà obteve o reconhecimento do Centro de Culturas Populares e Identitarias – SECULT – Governo do Estado da Bahia como “Expressão Afirmativa da Identidade Negra, na dança e na música afro contemporânea”, que as possibilidades de diálogo com as diversas áreas das artes cênicas, no Brasil e exterior tomam rumo:

“Uma parte dos profissionais da cidade de Salvador desconhecem por completo as linguagens artísticas produzidas pela sociedade negra no Brasil. Ignorando ferramentas e tecnologias que, para aqueles que são de fora da cidade, vem se tornando uma estratégia para a construção de uma linguagem artística universal” Afirma Carlos!

Atuando fora do país desde 2008, Carlos Ujhama vem ampliando as suas qualificações artísticas à medida que se permite criar relações com outras tendências da arte contemporânea. Atualmente ele faz parte do SPAZIOSEME – uma sociedade independente, gerida por profissionais e artistas de varias linguagens, aonde vem atuando como professor de dança e produtor cultural.

- É exatamente isso que trouxemos para Salvador: um pouco do que se fazemos no SPAZIOSEME.

A ação criada por artistas internacionais na Itália chega ao Brasil!
Contact Wave – sessão criada pelos produtores Leonardo Lambruschin e Carlos Ujhama desembarca na cidade de Salvador, Bahia para 3 dias de laboratórios sobre a Arte em Movimento.
Criado no ano de 2012, com intuito de ampliar o quadro de atividades da 26° edição do AREZZO WAVE FSTIVAL, o CONTACT WAVE nasce como um projeto dedicado a diversas formas de expressão artística, dentro de uma ótica de encontro e trocas culturais, através de profissionais de fama internacional.
                                      -------------------------------------------------
Italiano:

Il laboratorio sulle arti in movimento è dedicato a diverse forme di espressione in un'ottica d'incontro e scambio artistico e culturale, attraverso la presenza di professionisti di fama internazionale, e propone percorsi intensivi per l'apprendimento e l'utilizzo del movimento, del ritmo e dell'immagine.


Il laboratorio si inserisce all'interno del progetto Contact Wave, nato in occasione del festival Arezzo Wave 2012 e ideato da Carlos Ujhama e Leonardo Lambruschini, un percorso di ricerca e scambio tra la cultura Afrobrasiliana e la danza Contact Improvisation, aperto anche a contaminazioni della danza contemporanea, africana e della musica percussiva.

Per l'edizione 2013, che si svolgerà nella città di Salvador de Bahia, Brasile, la compagnia AFROSSà e lo SPAZIOSEME ripropongono le stesse basi del progetto, integrando però anche le arti visuali attraverso la sperimentazione di tecniche di fotografia e video, per valorizzare la documentazione in immagini delle attività a livello internazionale.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Laboratorio de Técnicas e Danças AFRO-SOTEROPOLITANA.

Όσοι δεν καταφέρατε να τον απολαύσετε στο προϋγούμενο σεμινάριο έχετε και πάλι την ευκαιρία!!!!! Ο Carlos Ujhama μέλος του CID επιστρέφει στην Ελλάδα για ένα mini workshop μόνο στον πολυχώρο Casa De Arte Kabeiria....... Ένας μοναδικός συνδιασμός αφρικάνικου,βραζιλιάνικου χορού,capoeira και όχι μόνο από έναν χαρισματικό δάσκαλο!!!!! Ο Carlos Ujhama είναι μέλος του Διεθνούς Σωματείου Χορού CID/ UNESCO (International Dance Council – CID/ UNESCO), με μεγάλη εμπειρία στον μοντέρνο και σύγχρονο χορό αλλά και εξειδίκευση στους παραδοσιακούς αφροβραζιλιάνικους χορούς . Ως διευθυντής, δάσκαλος και χορογράφος στην εταιρεία Contemporary Urban Intervention , η προσωπική του δουλεία έχει αναγνωριστεί επισήμως από την κυβέρνηση της Bahia, το Αφροβραζιλιάνικο κίνημα και τον καλλιτεχνικό χώρο της Ευρώπης . Η δουλειά του έχει διαδοθεί σε περισσότερες από δέκα χώρες. ΠΡΟΓΡΑΜΜΑ: ΣΑΒΒΑΤΟ 13/12/2014 18.00-20.00 ΚΥΡΙΑΚΗ 14/12/2014 17.00-20.00 Τιμή:Ανά μέρα 15 ευρώ 2 μέρες 25 ευρώ. Πληρο

OS PRETOS NÃO LÊEM!

Sociedade: OS PRETOS NÃO LÊEM! em 22 de Março de 2007 - 09:56 Linux - USA O lado triste deste artigo é que a sua essência é verdadeira. De fato, a verdade dói! Eu espero que isso possa criar uma motivação para que mais “pretos” não somente no senso étnico, identitàrio, cultural, religioso, filosófico, econômico, educacional, político, empresarial, artístico e todos os outros sentidos possam ir para frente, fazendo progresso reais. Carlos Ujhama – AFROSSà Cia. De Danças Populares da Bahia. - Chris Rock, um comediante negro disse, "os pretos não lêem". Não deixem de ler esse artigo é muito interessante. Para muitos dentre vós que escutaram o artigo que Dee Lee léu uma manhã nas ondas de uma estação de rádio de NY. Para os que não escutaram, este artigo toca profundamente. Um artigo pesado e escrito por um caucasiano (um branco). - Os negros não lêem e continuam a ser nossos escravos. Nós podemos continuar a escolher proveito dos negros sem esfo

Ano Novo, novas intenções!

Agradecendo ao que nos foi oferecido pelo universo, no ano que passou e, seguro que toda caminhada começa com o primeiro passo, continuamos a nossa afirmação como um ponto de referencia para as artes cenicas de matrizes africanas e afro-brasileiras. A nossa restrospectiva nos porta à um ano de fortalecimento e amadurecimento! Questões que nao gostaria de explicitar aqui, uma vez que nao háveria a oportinudade de confrontar com a classe artistica que nos segue e tanto colabora com esse projeto. O Moviemto Cultural Afro Brasiliero despedi-se da Europa, a nivél intelectual, pois, percebemos que o necessario a ser feito deve e precisa ser feito em solo brasileiro, para brasileiros. Estudiosos, pesquisadores, bailarinos, atores, musicos, etc. A quem possa interessar!! E, para começar-mos, manteremos os nossos seguidores informados das ações e realizações desses construtores: os pioneiros na perpetuação de uma linha de pesquisa, desenvolvimento e ação sobre a arte e movimento das matri