Pular para o conteúdo principal

O Ponto, pelo Ponto de Vista de...

Aline Valentim (Rio de Janeiro - RJ, Brasil)

Eu como artista, bailarina, professora e eterna aprendiz concordo e me identifico enormemente com seu olhar em torno da criação de uma arte cênica negra. Que está presente como dança, mas tb pode e deve incluir outras modalidades, novos diálogos performáticos sempre contemporâneows na medida em que estão em contínuo fluxo e se transformando.

É isso que, por um lado, mantém a arte viva. Durante muito tempo, pelo menos aqui no Rio de Janeiro, a Dança Afro esteve muito fechada em seu próprio mundo, por vários motivos e com várias implicações. Mas o fato claro é que, embora estejamos lidando com matrizes culturais (dança, musicalidade e gestualidade) bastante arraigadas em uma história e memória popular brasileira, muitos cruzamentos já aconteceram e todos esses gestos estão ressignificando como bem diz Ujhama.

É nesse cenário de movimento, pesquisa, intervenção e recriação que artistas, intérprestes e agentes da cultura, estamos empenhados e buscando criar uma poética contemporânea ampla, criativa e aberta.

É um empreendimento sem fim, as reverberações nos ultrapassam e escapam e isso é mágico... Nessa viagem pela história, energias, sensações e criações as parcerias são fundamentais, nos dão forças e energia pra continuar...

Foi assim minha viagem a Bahia, foi assim especialmente os ricos momentos de troca com Ujhama. Eu, embora longe, sigo por perto pois certamente somos parte de um mesmo movimento.

Eu sou Aline Valentim, sou Rio Maracatu, sou Primevo Gesto mas também sou AFROSSÁ por afinidade, aprendizado, parceria e muito orgulho!!!

Grande Abraço e parabéns Ujhama.
Boa turnê e até breve :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Laboratorio de Técnicas e Danças AFRO-SOTEROPOLITANA.

Όσοι δεν καταφέρατε να τον απολαύσετε στο προϋγούμενο σεμινάριο έχετε και πάλι την ευκαιρία!!!!! Ο Carlos Ujhama μέλος του CID επιστρέφει στην Ελλάδα για ένα mini workshop μόνο στον πολυχώρο Casa De Arte Kabeiria....... Ένας μοναδικός συνδιασμός αφρικάνικου,βραζιλιάνικου χορού,capoeira και όχι μόνο από έναν χαρισματικό δάσκαλο!!!!! Ο Carlos Ujhama είναι μέλος του Διεθνούς Σωματείου Χορού CID/ UNESCO (International Dance Council – CID/ UNESCO), με μεγάλη εμπειρία στον μοντέρνο και σύγχρονο χορό αλλά και εξειδίκευση στους παραδοσιακούς αφροβραζιλιάνικους χορούς . Ως διευθυντής, δάσκαλος και χορογράφος στην εταιρεία Contemporary Urban Intervention , η προσωπική του δουλεία έχει αναγνωριστεί επισήμως από την κυβέρνηση της Bahia, το Αφροβραζιλιάνικο κίνημα και τον καλλιτεχνικό χώρο της Ευρώπης . Η δουλειά του έχει διαδοθεί σε περισσότερες από δέκα χώρες. ΠΡΟΓΡΑΜΜΑ: ΣΑΒΒΑΤΟ 13/12/2014 18.00-20.00 ΚΥΡΙΑΚΗ 14/12/2014 17.00-20.00 Τιμή:Ανά μέρα 15 ευρώ 2 μέρες 25 ευρώ. Πληρο

OS PRETOS NÃO LÊEM!

Sociedade: OS PRETOS NÃO LÊEM! em 22 de Março de 2007 - 09:56 Linux - USA O lado triste deste artigo é que a sua essência é verdadeira. De fato, a verdade dói! Eu espero que isso possa criar uma motivação para que mais “pretos” não somente no senso étnico, identitàrio, cultural, religioso, filosófico, econômico, educacional, político, empresarial, artístico e todos os outros sentidos possam ir para frente, fazendo progresso reais. Carlos Ujhama – AFROSSà Cia. De Danças Populares da Bahia. - Chris Rock, um comediante negro disse, "os pretos não lêem". Não deixem de ler esse artigo é muito interessante. Para muitos dentre vós que escutaram o artigo que Dee Lee léu uma manhã nas ondas de uma estação de rádio de NY. Para os que não escutaram, este artigo toca profundamente. Um artigo pesado e escrito por um caucasiano (um branco). - Os negros não lêem e continuam a ser nossos escravos. Nós podemos continuar a escolher proveito dos negros sem esfo

Ano Novo, novas intenções!

Agradecendo ao que nos foi oferecido pelo universo, no ano que passou e, seguro que toda caminhada começa com o primeiro passo, continuamos a nossa afirmação como um ponto de referencia para as artes cenicas de matrizes africanas e afro-brasileiras. A nossa restrospectiva nos porta à um ano de fortalecimento e amadurecimento! Questões que nao gostaria de explicitar aqui, uma vez que nao háveria a oportinudade de confrontar com a classe artistica que nos segue e tanto colabora com esse projeto. O Moviemto Cultural Afro Brasiliero despedi-se da Europa, a nivél intelectual, pois, percebemos que o necessario a ser feito deve e precisa ser feito em solo brasileiro, para brasileiros. Estudiosos, pesquisadores, bailarinos, atores, musicos, etc. A quem possa interessar!! E, para começar-mos, manteremos os nossos seguidores informados das ações e realizações desses construtores: os pioneiros na perpetuação de uma linha de pesquisa, desenvolvimento e ação sobre a arte e movimento das matri