Pular para o conteúdo principal

Querem acabar com a Casa do Benin!!!

ATT:
Sociedade Soteropolitana
Vocês conhecem a Casa do Benin?
Sabem a da sua importância para a comunidade baiana e brasileira, em geral?
Vamos a alguns aspectos:

- A Casa do Benin festeja 22 anos de fundação
Palestras sobre a Casa do Benin e sua importância para a comunidade.
Inaugurada em 1988, resultado do intercâmbio mantido entre Salvador e a República do Benin, país africano, a Casa do Benin, situada no Centro Histórico da capital baiana – Rua Padre Augustinho Gomes, nº 17 -, completou 22 anos no último dia 06 de maio de 2010.

- Edifício histórico situado em um dos lugares mais significativos da vida sócio-cultural da capital baiana. Com sua ampla fachada cheia de portas e janelas denunciando os quatro pavimentos e o telhado de duas águas desenhando como um frontão colonial a fachada principal, a Casa do Benin se impõe na parte baixa do Largo do Pelourinho, praticamente fechando o pátio seco e inclinado de forma trapezoidal conformado pelo casario centenário.

- Salvador - A Casa de Benin, no Pelourinho, foi idealizada pelo antropólogo e fotógrafo Pierre Verger e fundada no ano de 1988, depois de reforma executada pela arquiteta italiana Lina Bo Bardi. Tem como principal objetivo difundir a cultura do povo beninense em Salvador, no período entre os séculos 18 e 19.

Do Golfo de Benin vieram os últimos escravos para a capital baiana, quando já era proibido o tráfico negreiro. É uma casa de cultura gerida pela Fundação Gregório de Mattos (FGM) e mostra o quanto o conhecimento da influência cultural africana é importante para a formação social de Salvador.

- A Casa do Benin, reformada sob a orientação da arquiteta Lina Bo Bardi, que manteve as linhas externas do casario secular cravado no Pelourinho, mas modernizou o espaço interior, abriga uma rica coleção de objetos e obras de arte da região do Golfo do Benin, de onde desembarcaram a maioria dos negros que povoaram o Recôncavo. Este acervo pertence, em sua maioria, à coleção do antropólogo e fotógrafo francês Pierre Verger. A Casa do Benin, aberta diariamente das 12h30 às 17h30, promove exposições temporárias, oficinas e disponibiliza para a comunidade uma biblioteca especializada em África e Cultura Afro-Brasileira.

Pois bem meus amigos!
Hoje, ao tentar lançar uma proposta para a utilização de um dos espaço físicos dessa casa, destinada a dança, capoeira, musica e tantas outras atividades de matriz africana, entrei em “shock” ao saber que a prefeitura da cidade de Salvador esta com intenções de destinar e estrutura do prédio para a sediar uma base militar da policia municipal!!
Isso é um absurdo! Além de ser uma total falta desrespeito com a sociedade baiana e brasileira!!
Não tenho muitas coisas para dizer a não ser: VAMOS DENUNCIAR MAIS ESTA TENTATIVA DE EXTERMINIO DA CULTURA BRASILEIRA!
Estamos em época de eleição para esses novos candidatos que falam, prometem e quase sempre não nos fazem ter uma garantia de coisa alguma!!
Amigos: não sou de pedir nada a vocês! Não gosto de incômodo! Mas, como agente cultural e conhecedor dos meus e dos nossos direitos, peço a sua ajuda para divulgar esse informação até que tenhamos uma explicação sobre essa idéia nefasta de alguns dos nossos, infelizes governantes!

Divulguem ao Maximo! Para movimentos negros, políticos engajados, militantes, historiadores, simpatizantes e todos aqueles que possam de alguma forma, ajudar a manter esse espaço mais do que cultural: é uma referencia de vida para o povo que faz do Brasil um novo pais!!

Grato pela atenção de todos,

Carlos Ujhama – Professor, coreografo e diretor da AFROSSà Cia. de Danças Populares da Bahia.
www.afrosoteropolitano.blogspot.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS PRETOS NÃO LÊEM!

Sociedade: OS PRETOS NÃO LÊEM! em 22 de Março de 2007 - 09:56 Linux - USA O lado triste deste artigo é que a sua essência é verdadeira. De fato, a verdade dói! Eu espero que isso possa criar uma motivação para que mais “pretos” não somente no senso étnico, identitàrio, cultural, religioso, filosófico, econômico, educacional, político, empresarial, artístico e todos os outros sentidos possam ir para frente, fazendo progresso reais. Carlos Ujhama – AFROSSà Cia. De Danças Populares da Bahia. - Chris Rock, um comediante negro disse, "os pretos não lêem". Não deixem de ler esse artigo é muito interessante. Para muitos dentre vós que escutaram o artigo que Dee Lee léu uma manhã nas ondas de uma estação de rádio de NY. Para os que não escutaram, este artigo toca profundamente. Um artigo pesado e escrito por um caucasiano (um branco). - Os negros não lêem e continuam a ser nossos escravos. Nós podemos continuar a escolher proveito dos negros sem esfo

Ano Novo, novas intenções!

Agradecendo ao que nos foi oferecido pelo universo, no ano que passou e, seguro que toda caminhada começa com o primeiro passo, continuamos a nossa afirmação como um ponto de referencia para as artes cenicas de matrizes africanas e afro-brasileiras. A nossa restrospectiva nos porta à um ano de fortalecimento e amadurecimento! Questões que nao gostaria de explicitar aqui, uma vez que nao háveria a oportinudade de confrontar com a classe artistica que nos segue e tanto colabora com esse projeto. O Moviemto Cultural Afro Brasiliero despedi-se da Europa, a nivél intelectual, pois, percebemos que o necessario a ser feito deve e precisa ser feito em solo brasileiro, para brasileiros. Estudiosos, pesquisadores, bailarinos, atores, musicos, etc. A quem possa interessar!! E, para começar-mos, manteremos os nossos seguidores informados das ações e realizações desses construtores: os pioneiros na perpetuação de uma linha de pesquisa, desenvolvimento e ação sobre a arte e movimento das matri

PROJETO SEXTA EM MOVIMENTO, APRESENTA:

AFROSSà - Dança e técnica afro Soteropolitana. Onde: Escola de Dança da FUNCEB Dia: 23 de abril Hora: das 10:20 as 12:50 Sala: 1 Inserida dentro da carga horária do Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Dança, esta ação tem como principal intuito propiciar aos alunos, professores e comunidade interessada experiências que contribuam para a formação em dança e áreas do conhecimento correlatas. Trata-se, portanto, de um espaço de troca e construção coletiva de saberes baseado em atividades como: seminários, simpósios, palestras, conferências, debates, exposições, aulas, workshops, oficinas, apresentações e bate-papos. A AFROSSà, ou a dança afro Soteropolitana é um desenvolvimento de pesquisa em dança baseado nas movimentações de matrizes africanas, indígenas e européias constitutivamente, dentro do âmbito profissional, técnico, popular e acadêmico da cidade de Salvador, iniciado com a chegada do professor Clady Morgan – EUA e, obtendo desenvolvimento local at